Regras Básicas para perder Peso e se Manter Magro

Antes de ir direto ao assunto vou contar, rapidamente, minha história de amor e ódio com a balança. Na infância era magrela, formato "tábua de passar roupa". Não tinha curvas, bumbum, cintura e nada. Com a explosão hormonal da adolescência ganhei gordura localizada na mama e abdômen. O resto praticamente continuou tábua. Digamos que junto com esse corpinho 'nada legal' eu aliei péssimos hábitos alimentares. Minha mãe até então me ensinou e fazia certo: comida de verdade. Arroz, feijão, legumes, frutas, carnes, ovos, sucos naturais... Mas com a minha independência achei que era dona do próprio nariz e passei a viver a base de salgadinhos fritos (cigarrete coxinha de frango...), hambúrguer, pizza, salgadinhos de milho como Baconzitos, biscoito recheado Passatempo, misto-quente, coca-cola, chocolates açucarados e todos esses "lixos alimentares". Resultado: Em 10 anos ganhei 12 quilos e muita gordura abdominal -  devido a minha tendência genética. Na verdade só não ganhei mais porque comia essas "porqueiras" de forma moderada e não em grandes proporções. 
















Quando comecei a trabalhar como repórter na TV passei a enxergar todos os dias o estrago e a correr atras do prejuízo. Fui a uma nutricionista e passei a seguir aquelas "dietas xerocadas e padronizadas" que alguns profissionais passam para todo mundo igual. De cara tive que troca o fast food por comida de verdade, pelo menos no almoço. No restante do dia troquei os "lixos alimentares" por pão integral, peito de peru, queijo magro, barrinha de cereal e essas coisas de dieta pronta. Perdi 6 quilos em 6 meses. Acho que se tivesse levado mais á risca teria resultados melhores. Mas fazia muito bem a dieta de segunda de manhã a sexta á tarde. Porém, de sexta á domingo a noite era aquela perdição. Caía matando nos hábitos antigos. Eu precisava ir bem mais além e resolvi investir mais grana e procurar orientação de uma nutricionista funcional. Foi o divisor de águas na minha vida. Esses profissionais nos ensinam a repor por meio da alimentação tudo aquilo que nosso corpo precisa. Ou seja, aprender a comer de verdade alimento natural e não processado. De repente me peguei carregando marmitas o dia todo e comendo aquilo que minha mãe havia me ensinado. Perdi mais 4 quilos em 6 meses de dieta nem tão regrada, porque nos fins de semana continuava escorregando, porém com menos frequência. 














Aliada a alimentação eu tinha uma rotina de treinos que envolvia musculação, spinning e corrida intervalados, 6x por semana, pelo menos 1 hora por dia. No entanto, ainda queria um "shape mais sequinho". A nutricionista alertava que seria difícil porque já estava magra e meu corpo entendia que não era pra perder mais. Porém, eu ainda tinha gordura abdominal incomodando (herança maldita dos lixos alimentares) e precisava perder peso para perder a gordura localizada, já que não queria fazer intervenção cirúrgica. Foi quando mudei para os Estados Unidos e la contratei um health-coach, que são profissionais formados em nutrição e educação física que te orientam nas duas funções por meio de consultoria semanal e on-line. Como eu também queria ficar mais "fortinha" fiz bastante uso de suplementos. Todos esses que se falam nas redes sociais: Whey protein, Glutamina, BCA, Caseína, Termogênico... Consegui em 6 meses perder um pouco de gordura abdominal, mas muito pouco em relação ao gasto financeiro com suplementos e restrição alimentar, inclusive nos fins de semana. Eu não ingeria farinhas refinadas, açúcares, gordura e todo alimentado natural era pesado e contado por meio de macronutrientes (carboidrato, proteína e gordura boa) e não por caloria. 










    
Após 6 meses morando nos Estados Unidos voltei para uma temporada no Brasil. Nesse país não teria como investir toda a grana que investia em suplementos porque os nacionais não confio e importar ficaria caro. Ao mesmo tempo estava refletindo sobre os ganhos com a suplementação e os possíveis prejuízos a minha saúde. Foi quando conheci o estilo de alimentação paleo, o qual sou adepta há 9 meses. Com toda essa história que contei só me resta dizer que não tem nada melhor, mais saudável, mais barato e com mais resultados. Apesar de no Brasil encontrarmos alguns profissionais adeptos a esse estilo de alimentação (médicos nutrólogos e nutricionistas) ainda são poucos e acabei me tornando auto-didata. É claro, após muita pesquisa em artigos científicos, leitura de livros, troca de experiência com adeptos à essa alimentação e testes com o meu corpo. Hoje estou com o corpo que desejava, me alimentando de forma natural, sem gastar dinheiro com suplementos  - que não resolvem nada - sem restrição severas e com saúde. Por se tratar de algo mais complexo vou compartilhar em vários posts de maneira jornalística (com citações e indicações de leitura). Pra quem quiser embarcar nessa é só acompanhar os próximos posts, mas antes colocar em prática os ensinamentos abaixo. Eles são fruto de "anos na estrada do emagrecimento e manutenção de peso" e são a chave do sucesso. Sem eles não adianta se iludir com a dieta da moda, cirurgia plástica, nutricionista famoso, educador físico bombado, suplemento importado e nada milagroso. 



* Coma alimentos naturais e de forma natural. Ex: Frutas ao invés de receitas light diet que levam frutas;

* Gradativamente retire toda fonte de açúcar da sua alimentação. A principio substitua por adoçante a base de stévia, depois diminua as gotas até chegar a uma fase que tome café, por exemplo, sem nada (è o meu caso hoje). Parece xiitismo mas você verá que é capaz de apreciar o gosto natural do alimento; 
* Se gostar muito de chocolate substitua pelo meio amargo. Comece com 55% até chegar a consumir chocolates com 70 ou 85% de cacau. Não consuma mais do que 2 tabletes por dia;
* Substitua toda fonte de gordura vegetal ou trans por "gordura boa" ou mesmo saturada da carne. Na prática jogue fora o óleo de girassol ou outro do gênero e cozinhe com azeite, manteiga, óleo de coco ou banha de porco;
* Elimine as farinhas refinadas. Ou seja, não consuma pães (nem integral), bolos, biscoitos, massas, salvo em raras exceções como festas e férias e com moderação;
* Se quiser emagrecer troque as frutas com alta carga glicêmica pelas de menor e coma frutas com moderação. Opte pelas da safra. Se quiser apenas manter peso coma frutas sem restrição;
* Retire da mesa todo alimento industrializado. Seu dia a dia terá refeições á base de carnes com gordura natural, ovos, legumes, verduras e frutas (inclusive café da manhã);
* Não conte calorias e faça controle por meio de macronutrientes (carboidrato, proteína e gordura). Vou explicar como nos próximos posts;
* Acabe com esse vício e falso ensinamento de que é preciso comer de 3 em 3 horas para manter o metabolismo acelerado. Você aprenderá que comendo mais "gordura boa " ficará saciado por mais tempo e fará de 3 a 4 boas refeições por dia, apenas. 
* Queijos evite apenas se for intolerante a lactose. Caso contrário consuma com alegria os mais "gordos";
* Se quiser emagrecer se proponha a manter à risca a alimentação natural, inclusive nos fins de semana. Evite as escapulidas e "refeições livres ou jacas". Elas não atrapalham quem esta mantendo peso, mas são devastadoras para quem esta perdendo;
* E o mais importante: Adote tudo isso como estilo de vida e não apenas como algo temporário até alcançar seu objetivo. Não se iluda achando que depois que perder peso poderá voltar aos antigos hábitos sem engordar. Nem mesmo cirurgia plástica têm esse poder. Somos o que comemos. Se comemos o que engorda e faz mal, seremos gordos e com a saúde debilitada. Depois dos 30 anos de idade então é que precisamos mais ainda andar a risca. Nosso metabolismo (homem e mulher) começa a desacelerar e engordar fica ainda mais fácil e emagrecer cada vez mais difícil. 
     













  

Postagens mais visitadas