Conhecendo o estilo Paleo e Primal de se alimentar


Por quê Paleo?

O termo paleo deriva de "paleolitico" e vem sendo empregado na alimentação há pelo menos uma década. Um dos percursores é o nutricionista professor do Departamento de Ciência da Saúde e do Desporto da Universidade do Colorado nos USA, Loren Cordain. O pesquisador defende que os nossos genes são os mesmos dos nossos ancestrais e por isso estamos geneticamente adaptados para comermos o que os "caçadores - coletores" comiam. Para o especialista, muitos dos nossos problemas de saúde decorrem dos novos hábitos alimentares que adquirimos e sobretudo, a obesidade e seu ciclo metabólico (diabetes, hipertensão, doenças coronarianas, depressão...). Loren defende que passamos mais de 95% da nossa existência como humanos sem comer pães, arroz, feijão e que o nosso corpo não foi feito para absorver cereais. A proposta não se trata de uma dieta, mas um programa de alimentação para a vida toda. O objetivo é promover saúde e bem estar imitando o estilo de alimentação dos nossos ancestrais, antes da agricultura. A base seriam carnes frescas com gordura natural, frutos do mar, peixe, vegetais, frutas, sementes e nozes. Essa entrevista com a nutricionista paleo, a brasileira Laura Nesteruk, é muito didática e vale a pena ser assistida: (https://youtu.be/4MKfhWOcemY) .
Experimentos feitos com caçadores coletores e outros povos não ocidentalizados, como os habitantes de Kitava, na Ilha do Pacífico,  demonstraram que adotando uma dieta paleolítica eles estavam livres de câncer, doença cardíaca, acne, doença infamatória e intestinal e outras crônicas. Nos Estados Unidos a alimentação paleo/rica em gordura e pobre em carboidrato - LCHF -Low Carb High Fat - tem sido usada com efeito para tratamento de doenças neurológicas, diabetes, hipertensão e outras (Livro A Dieta da Mente sugerido no fim do Post explica).  






Como o conceito tem se consolidado? 

 O conceito vem sendo amplamente divulgado pelo mundo, principalmente, por meio do livro " A Dieta do Paleolítico" do Dr. Loren. Nos USA a nova forma de se relacionar com a comida encontrou "terreno fértil", principalmente, desde o ano passado onde os dados alarmantes de obesidade (estima - se que 30% da população norte americana seja obesa/The State of Obesity 2013) foram confrontados com a divulgação de novos estudos que questionam a pirâmide alimentar do país. Há pelo menos 5 décadas ela estava baseada nos carboidratos (60%)  seguido das proteínas (25%) e por último as gorduras (apenas 15%). A baixa recomendação de gordura teria sido recomendada pelos especialistas por causa dos estudos "controversos" de que as gorduras seriam responsáveis pelas altas taxas de colesterol e portanto, doenças cardíacas. O que após décadas, finalmente, vem sendo questionado e revelando que por trás dessa alta recomendação de carboidrato e baixa de gordura estavam os interesses capitalistas fomentados pelo lobby das grandes indústrias norte americanas de alimentos processados e fast food. Se você tiver a curiosidade de ler o rótulo de um alimento processado como uma caixa de sucrilhos, barra de cereal, e tudo mais que vende nas caixas e demoram mais pra estragar verá uma lista de nomes estranhos, que se traduzidos significam "açucar", mais propriamente "xarope de glicose", ou seja, carboidrato. E daqueles direto na veia: INSULINA PURA. O documentário sugerido no fim deste post relata muito bem esta história. Não é a toa que a Pirâmide Alimentar dos USA está recebendo novas recomendações que não mais "demonizam"a gordura, sobretudo a saturada. Cito este artigo do excelente médico brasileiro, Dr. José Carlos Souto. Profissional referência no Brasil sobre esse assunto, no meu ponto de vista. (http://www.lowcarb-paleo.com.br/2015/06/editorial-no-jama-o-fim-da-restricao.htm).

ATT: Trataremos desse balanço carboidrato/gordura em outro post bem detalhado. 






PORQUE A PALEO AJUDA A EMAGRECER?

O fato é que duramente muito tempo, os americanos, brasileiros e outros povos ocidentalizados foram muito enganados em relação ao mecanismo alimentação/ganho e perda de peso. Fomos ensinados durante décadas que para emagrecer precisamos gastar mais calorias do que ingerimos e o contrário para engordar. Por causa disso nos tornamos viciados em contar calorias, os mais animados em exercicios para promover a queima delas, e passamos a fazer de um sistema biològico, matemática. Mas, graças a Deus a ciência avança e mesmo por trás dos lobbys capitalistas existem pesquisadores comprometidos com a verdade e há pelo menos uma década os estudos têm comprovado como realemente funciona o mecanismo alimentação/ganho e perda de peso. O que importa no fundo no fundo não é a quantidade do que comemos e sim a qualidade do que comemos. O mesmo vale para a atividade física. Você pode malhar uma hora por dia e não conseguir os mesmos resultados de quem se dedica apenas 20 minutos. Afinal, tudo depende do método intensidade na área da atividade (falaremos melhor de atividade em outro post). 
Se realmente o que conta é a qualidade do que comemos nem precisa de muito explicação para dizer que uma "alimentação paleo" é muito mais eficaz para saúde e perda de peso do que as dietas padronizadas que encontramos nas revistas, blogs, e na maioria dos nutricionistas onde nos alimentamos baseados em pães integrais, biscoitos, barras de cereal, iorgurtes e queijos diet/light (são os piores porque tiram a gordura e no lugar adicionam conservantes que são na verdade açúcares). Qualquer leigo vai saber que um alimento natural é muito melhor do que um processado. Não é a toa que a geração dos nossos avós, bisavós e ladeira abaixo eram muito mais "em forma", dispostos e saudáveis. Dá uma olhada nas fotos de sua árvore genealógica. Vai encontrar homems e mulheres muito menos obesos (mesmo aqueles com disposição genética à obesidade). De fato a alimentação paleo tambem por esse ângulo faz sentido, afinal de contas, esse negócio de fast food e caixinha não fazia parte da rotina alimentar dos nossos ancestrais. Mesmo que a crítica bombardeie a alimentação paleo, questionando a eficácia dela para a saúde do homem atual, a ciência ja comprova seus inúmeros benefícios. Veja este artigo muito bem explicado pelo atleta, escritor e defensor norte americano da alimentação paleo, Mark Sisson. O artigo foi traduzido pelo autor do site Paleodiário, Hilton Sousa (http://www.paleodiario.com/2015/07/a-dieta-paleo-e-suportada-pela-pesquisa.html ).






COMO SER PALEO?

A grande questão hoje em dia é como se adaptar a esse estilo de alimentação. Na prática digo que você irá frequentar mais os sacolões, as feiras livres e açougues do que os supermercados. Também irá voltar a frequentar a cozinha não só para comer, mas para como diriam as nossas mães "pilotar o fogão". E é claro precisa deixar a preguiça de lado e reservar um tempo para isso. E não me venha com a desculpa de que não tem tempo, porque tempo a gente faz, estabelecendo prioridades e se organizando. Eu por exemplo, deixo comida pronta para pelo menos 5 dias (carne de panela assada, legumes cozidos, folhas lavadas e higienizadas, receitas funcionais congeladas, etc). A questão é até que ponto você prefere continuar fora do peso e destruindo a sua saúde ao invès de investir nela. Saidas eventuais também fazem parte e irão definir o quão saudável você escolheu ser. Mesmo não fazendo parte de uma alimentação paleo, se permitir a massas e doces por exemplo, fazem parte do equilibrio e se administrados podem entrar na sua rotina de festas, férias e eventuais. Se você conseguir ser 80% do ano natural, já é o máximo, no meu ponto de vista. O que não pode é ser apenas 20%. Dessa forma não conseguirá perder peso, se manter magro e saudável. Também penso que a mudança de hábitos é um grande desafio hoje em dia na geração do fast food, do não tenho tempo de cozinhar. Mas acho que podemos fazer diferença vivendo acima da média e portanto não sendo medíocres e ao contrário, passando a ser inspiradores do bem. Existem algumas regras que ajudam para mudanças de hábitos e irei tratar em outro post. Abaixo uma lista de livros, documentários, blogs de receitas, de artigos cientificios e tudo que você precisa para dominar o assunto. Conhecimento é a garantia para obter resultados, não ser enganado e antes promover o bem. 

Eu coloquei como meta ser 90% de 2015 natural e paleo. E você? 


Sites:

http://www.lowcarb-paleo.com.br/
http://primalbrasil.com.br/
http://robbwolf.com/
http://www.paleodiario.com/

Livros:

Por que engordamos: Gary Taubes
A dieta da Mente: Dr. David Perlmutter
Barriga de Trigo: Willian Davis
A Dieta do Paleolítico: Loren Cordain
The Paleo Solution: Robb Wolf
Energia Paleo: Mark Sisson
The Big Fat Surprise: Why Butter, Meat e Cheese Belong in a Healthy Diet: Nina Teicholz

Documentários:

Feed Up: Produzido e gravado pela jornalista e apresentadora de TV nos USA Katie Couric
Food Inc: Dirigido pelo diretor de cinema Robert Kenner
GMO OMG: Sobre alimentos geneticamente modificados
Sugar x Fat: Experimento de irmãos gëmeos médicos. Fala sobre a mistura que engorda: Gordura e Carboidrato.
Quilos mortais: Seriado americano


Canal Youtube:

-University of California Television
 * Diet, Nutrition and Obesity
 * The complete Skinny on Obesity
 * Pregnancy: A Teachable Moment for Weight Control and Obesity

-Careca das Cavernas: (receitas paleo)

- Maressa TV (receitas e idéias para tornar sua rotina paleo mais fácil)








Postagens mais visitadas